Home > Pós-graduação > Estudos do Meio Ambiente > Lisboa - Cidade > Pós-Graduação em Arboricultura Urbana - Lisboa - Cidade - Lisboa

Pós-Graduação em Arboricultura Urbana

Solicite informação sem compromisso UTL - Universidade Técnica de Lisboa

Para enviar a solicitaçao, você deve aceitar a Política de Privacidade

Comentários sobre Pós-Graduação em Arboricultura Urbana - Presencial - Lisboa - Cidade - Lisboa

  • Objectivos
    A árvore na cidade é actualmente imprescindível ao nosso bem-estar enquanto elemento estético e de amenização do clima. Porém, a presença de árvores no meio urbano levanta problemas específicos de compatibilização com a propriedade, a saúde e os equipamentos e actividades urbanas. O actual investimento das autarquias e a situação de muito do arvoredo urbano sugerem a necessidade de formação avançada dirigida aos técnicos responsáveis pelo planeamento, instalação, condução e manutenção dessas arborizações. O Instituto Superior de Agronomia possui as competências técnicas e científicas para proporcionar uma formação de Pós-Graduação em Arboricultura Urbana, podendo fornecer aos licenciados os fundamentos de que tantas vezes necessitam para desempenharem as suas funções com competência e segurança profissional. Por todas estas razões, temos a convicção de que esta pós-graduação corresponderá às expectativas e desafios de todos aqueles que pretendam desenvolver os seus conhecimentos e valorizar as suas qualificações nas áreas da arboricultura urbana. Se este é o seu caso, esperamos contar consigo brevemente.
  • Dirigido a
    O curso destina-se a técnicos com graduação (licenciatura ou bacharelato) nas ciências agrárias e do ambiente, bem como licenciados ou bacharéis em biologia e em arquitectura paisagista, ou com cursos tidos por equivalentes pela Comissão Coordenadora do Curso, leccionadas no Instituto Superior de Agronomia, noutros estabelecimentos de ensino da Universidade Técnica de Lisboa e noutras Universidades e Institutos Politécnicos de Portugal, da União Europeia e de outros países de expressão oficial portuguesa.
  • Conteúdo

    Condução das árvores no viveiro: plantas de raiz nua, torrão e em vaso; poda e preparação do
    sistema radical; estabelecimento do viveiro; influência do solo e do clima na qualidade das
    plantas; sistema de rega e de drenagem; influência da fertilização na qualidade das plantas;
    produção de plantas em vaso; propriedades dos substratos; dimensões e forma dos vasos;
    sistemas de fertirega; espaçamento e tutoragem das plantas. Poda de formação: a forma das
    árvores ('standard', 'semi-standard', vaso, guia modificada, formas fastigiadas, formas
    multitronco, formas pêndula e formas naturais); técnicas de poda adequadas a cada forma
    específica; influência da poda no crescimento e desenvolvimento da árvore. Poda de
    manutenção: tipos e funções da poda (limpeza, renovação da copa, cirurgia, rolagem); época da
    poda; aplicação ao caso das caducifólias, perenifólias e palmeiras; o caso particular da topiaria.
    Estabelecimento e manutenção das árvores: técnicas de plantação; características específicas
    do solo e do clima urbano; drenagem;. época de plantação e particularidades das árvores de
    raiz nua, em torrão e em vaso; operações culturais ao longo da vida da árvore; rega, fertilização
    e protecção fitossanitária. Estudos de caso: utilização de árvores em alinhamentos na cidade;
    parques públicos; jardins privados; parques de estacionamento automóvel; esplanadas. Visita
    de estudo a um viveiro de árvores ornamentais.
    Efeitos dos Espaços Arborizados nas Cidades
    Francisco Castro Rego (ISA/UTL e DGRF) e Ana Luísa Soares (ISA/UTL)
    16,0 horas
    Efeitos da árvore na cidade. Condições que a cidade oferece à árvore. Relação benefício/ custo
    da árvore na cidade. A árvore na concepção, planeamento e gestão de espaços verdes. Casos de
    estudo e exemplificação prática.
    Fisiologia das Árvores
    João Santos Pereira (ISA/UTL)
    13,5 horas
    Introdução: implicações ecológicas e fisiológicas da arborescência; a árvore e o Homem;
    porque plantamos árvores na cidade? Como crescem e funcionam as árvores: como crescem as
    árvores? De onde vêm os recursos para o crescimento e como se distribuem? Como se forma a
    copa? Porque há copas diferentes nas árvores? Porque é que as folhas mudam de cor e caiem?
    Porque é que árvores arruínam os passeios? Como as características ecofisiológicas naturais

    influenciam o desempenho das árvores no meio urbano? Factores limitantes e de stress: a água,
    a temperatura, os nutrientes, as condições físicas do solo (encharcamento; compactação), a
    poluição do ar, a luz. Interacções com inimigos biológicos das árvores. Algumas medições de
    interesse para conhecer o estado fisiológico das árvores.
    Identificação e Características de Árvores para Uso Urbano
    António Fabião (ISA/UTL)
    16,5 horas
    Breve revisão da Taxonomia das árvores. Conceito de arborescência. Critérios básicos de
    identificação expedita de árvores e arbustos. Taxonomia das Resinosas e critérios de
    identificação: exemplificação prática no exterior. Resinosas em meio urbano: alguns critérios
    de selecção de árvores. Taxonomia das Folhosas e critérios de identificação: exemplificação
    prática no exterior. Folhosas em meio urbano: alguns critérios de selecção de árvores e
    arbustos. Identificação de Resinosas e Folhosas: exemplificação de critérios de identificação na
    Tapada da Ajuda e em visitas de estudo. Dimensões e preferências edafo-climáticas de
    espécies arbóreas e arbustivas com uso ornamental.
    Produção de Plantas Lenhosas
    Helena Almeida (ISA/UTL) e Ângelo Oliveira (ISA/UTL)
    23,5 horas
    Qualidade dos propágulos: Selecção de Propágulos; Importância da origem do material
    vegetal. Manipulação dos propágulos: Manipulação de sementes: Fisiologia das sementes;
    Planeamento da colheita; Métodos de recolha; Manipulação do fruto e da semente no período
    entre a recolha e o processamento; Extracção, Limpeza e conservação de sementes; Tratamento
    pré-germinativo das sementes; Ensaios de sementes; Factores que condicionam a propagação
    vegetativa; Técnicas de Propagação Vegetativa: Estacaria; Enxertia; Mergulhia e Amontoa.
    Técnicas de produção de propágulos: Produção de plantas por raiz nua, e em contentores;
    Caracterização dos substratos: A compostagem como forma de produção de substratos;
    Controlo da nutrição e da rega nas primeiras fases de produção de plantas; Tratamentos
    culturais: repicagem, poda radicular.
    Protecção contra Agentes Bióticos
    Joana Duclos (ISA/UTL)
    23,0 horas
    Introdução: Factores que influenciam a incidência e severidade de pragas e doenças nas árvores
    em ambiente urbano. A importância da fitossanidade na selecção, gestão e manutenção da
    árvore em ambiente urbano. Legislação fitossanitária. Como reconhecer a presença de pragas
    nas árvores? Sintomas associados à presença das pragas segundo diferentes grupos alimentares:
    desfolhadores, sugadores, subcorticais, perfuradores do lenho e indutores de galhas. Estragos
    associados a cada um destes grupos alimentares. Manifestações de doença nas árvores.
    Conceito de doença, sintomas e sinais, agentes causais. Doenças mais frequentes em árvores.
    Doenças no viveiro e em ambiente urbano – doenças radiculares, doenças do tronco, doenças
    ao nível da copa. Doenças complexas (factores de predisposição, factores desencadeantes e de
    contribuição). Diagnóstico e inspecção de árvores. O caso particular das podridões (tipos de
    podridões, principais fungos, mecanismos de defesa das árvores); métodos de diagnóstico.
    Estratégias de protecção em relação a pragas e doenças em ambiente urbano. A prática
    fitossanitária; características diferenciadoras e condicionantes das intervenções sanitárias em
    ambiente urbano. Tácticas de protecção mais adequadas para os principais grupos de pragas e
    doenças. Aplicações práticas. Observação em laboratório e/ou no campo do ataque de
    diferentes grupos de pragas. Colheita e observação de material vegetal doente. Normas de
    colheita de material doente, diagnóstico visual e diagnóstico etiológico. Discussão in loco
    sobre medidas de protecção a adoptar. Árvores em risco – diagnóstico visual, discussão de
    medidas de prevenção e de correcção.
    Sistemas de Informação e Apoio à Gestão
    José Calvão Borges (ISA/UTL) e Graça Abrantes (ISA/UTL)
    30,5 horas


    Introdução; dados vs. informação; sistemas de gestão de ficheiros e sistemas de gestão de bases
    de dados; sistemas e tecnologias de informação nas organizações: uma perspectiva unificadora.
    Objectivos de um sistema de gestão de bases de dados. Redução da redundância e eliminação
    da inconsistência. Segurança, integridade, independência, controlo da concorrência e
    recuperação/tolerância a falhas. A informação na base de dados. O sistema de gestão de bases
    de dados e os utilizadores. Modelos de bases de dados. Modelo relacional. Tabelas e relações.
    Modelo entidade-associação. Restrições de integridade e normalização. Linguagem de
    manipulação SQL Demonstração da conceptualização de um modelo relacional e de utilização
    da linguagem SQL. Novos modelos de bases de dados. Modelo orientado a objectos.
    Arquitecturas de sistemas de gestão de bases de dados. Quadro de referência para a qualidade
    dos dados e da gestão de bases de dados em gestão de recursos naturais. Conceptualização e
    implementação de sistemas de gestão de bases de dados em arboricultura urbana; casos de
    estudo. Características específicas da informação geográfica. Arquitecturas e modelos de dados
    das aplicações comerciais para suporte de SIG. Georreferenciação e fontes de informação
    geográfica. Análise espacial. Processo de desenvolvimento de SIG. Aplicações práticas.

Outro curso relacionado com Estudos do Meio Ambiente

Utilizamos cookies para melhorar nossos serviços. Se continuar navegando, consideramos que aceita o seu uso. Ver mais  |